♥ Um livro... ♥





Trago aqui minha participação  no Desafio da Sissi...

 Pensei num livro e fui remexer minha memória. Enquanto isso, aqui em casa o tema  que se falava era a natureza.  Lembrei então desse livro que gosto muito e vale sempre folhear, ler, reler... É sempre atual!


Trago então, trechos desse 4º capítulo ...Se prestarem atenção ,verão  logo onde quero chegar...


Participem vocês também.Cliquem AQUI!



O livro é esse:



 E o capítulo a que me refiro é esse:


O Instante Decisivo


“Viva cada dia como se fosse morrer amanhã, e cada minuto como se fosse o seu


último”, disse um sábio. E de fato, se colocássemos em prática este conselho, levaríamos adiante as nossas vidas com uma intensidade extraordinária.


Somos todos dominados pelo fascínio perigoso do último minuto. Nos filmes, o herói vence definitivamente seus inúmeros adversários no momento final – quando a sua vitória já parece impossível. Temos o hábito de cumprir nossas obrigações na última hora.


Entregamos o imposto de renda, pagamos as contas, pegamos o ônibus ou o avião no último momento.
“Não faça hoje o que pode ser deixado para amanhã”, é o nosso lema. Por que seria diferente com a preservação ambiental?


A prática da destruição do meio ambiente se acumula há muito tempo e a defesa ecológica é sistematicamente deixada para depois por certas autoridades. A degradação dos ecossistemas se arrasta há séculos, mas o tempo para agir está ficando cada vez mais escasso. O último momento é a época de crise e despertar que estamos vivendo hoje.


Até aqui, cada civilização que desapareceu devido à destruição das florestas, desertificação do solo e desorganização climática pôde renascer como outra sociedade com características novas em uma parte diferente do planeta.

A degradação ecológica é responsável por boa parte das migrações populacionais. Agora, no entanto, vivemos em uma única civilização global, e não há nenhum outro planeta à nossa espera.

A proteção do meio ambiente avança mais lentamente do que seria de esperar. Esta lentidão faz com que o perigo fascinante cresça, até que todos compreendam: o último momento chegou.


A consciência ambiental existe há milênios, e o movimento ambientalista moderno surgiu nas últimas décadas do século dezenove em países como Estados Unidos (com John Muir) e Alemanha. Também no Brasil o alerta ambiental não nasceu ontem. Ao escrever sobre a necessidade de uma agricultura eficaz no Brasil, o líder da independência brasileira,


José Bonifácio de Andrada e Silva descreveu a importância dos rios, lagos e outros elementos do ambiente natural, e acrescentou:


“Como, pois, se atreve o homem a destruir, em um momento e sem reflexão, a obra que a natureza formou em séculos (...)? Quem o autorizou para renunciar a tantos e tão importantes benefícios? A ignorância, sem dúvida.”


E ainda:

“Destruir matas virgens, nas quais a natureza nos ofertou com mão pródiga as melhores e mais preciosas madeiras do mundo, além de muitos outros frutos dignos de particular estimação, e sem causa, como até agora se tem praticado no Brasil, é extravagância insofrível, crime horrendo, e grande insulto à mesma natureza.


Que defesa produziremos no tribunal da razão, quando os nossos netos nos acusarem de fatos tão culposos? Já nós com justificada causa arguimos o passado dos crimes cometidos a este respeito.” (1)


José Bonifácio não foi ouvido como deveria pela sociedade brasileira, mas seu testemunho permanece conosco.


Notas:

(1) Necessidade de uma Academia de Agricultura no Brasil, José Bonifácio, texto incluído em Obra Política de José Bonifácio, Centro Gráfico do Senado Federal, Brasília, 1973, 340 pp., ver pp. 35 a 48. A citação específica vem das pp. 41 e 42.

8 comentários:

  1. Muito interessante. Sinceramente eu já gostei de tantos livros que tenho dificuldade em destacar um. Talvez o que mais me tenha impressionado tenha sido "2455 Cela da Morte" talvez por ser uma autobiografia de um condenado à morte, talvez porque eu era muito criança e não estava preparada para aquele tipo de leitura, pois tinha apenas 12 anos.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  2. Chica, o reflexo da violência humana chega primeiro na natureza. E nós somos todos responsáveis por essa realidade desconcertante. É tempo de não desperdiçar a oportunidade de fazer modificações nos relacionamentos com a natureza. Ótimo texto. Beijo! Renata e Laura

    ResponderExcluir
  3. Chica, o momento nem é agora, foi há muitos anos. Como não podemos retroceder, resta-nos a consciência de que não há mais tempo para se adiar condutas e providências. Você escolheu, sabiamente, o texto do livro, para essa postagem. Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Sábias palavras Chica, de facto vivemos com tanta pressa, queremos tanto que quando nos apercebemos não vivemos nada e mais grave ainda destruimos aquilo que seria a herança futura. Não conhecia o livro, penso que nem nunca o vi por aqui nas livrarias e bibliotecas. Fiquei curiosa... afinal estamos sempre aprender e estes desafios ajudam nisso mesmo, partilha de conhecimento. Um bom fim de semana. Bjs

    ResponderExcluir
  5. Excelente, Chica. Vai bem ao encontro das propostas do blog da OPB.

    ResponderExcluir
  6. Chica, excelente o trecho que você partilhou. Toca mesmo profundamente e traz várias reflexões. É para ler e reler e deveria constar da "lista dos mais vendidos" deveria constar do currículo escolar, ser leitura no Congresso e modificar a mente dos grandes destruidores da nossa natureza.
    Acho que vou participar também. Bj

    ResponderExcluir
  7. Lindo o trecho que você descreve Chica,e como é bom ler e ter livros como esse,para ficarmos atentos com as nossas florestas que o homem já conseguiu com suas mãos quase destruí-las.
    Bjs-Carmen Lúcia

    ResponderExcluir
  8. Chica,
    Fica a reflexão! Que livro interessante esse livro. Não conhecia. Adorei o trecho que você colocou aqui para lermos. Essa parte de vivermos como se não houvesse o amanhã, é perfeita! Temos que viver intesamente.
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir

ஃ Que bom te ver aqui também!